Prédio da antiga Prefeitura de Joinville começa a ser restaurado

Prédio da antiga Prefeitura de Joinville começa a ser restaurado
Prédio da antiga Prefeitura de Joinville começa a ser restaurado

 

 

 

As obras de reforma e revitalização do prédio da antiga sede da Prefeitura de Joinville, localizado na esquina das ruas João Colin e Max Colin, iniciaram nesta segunda-feira, dia 20 de janeiro de 2020. Com prazo de dez meses para a execução da obra, a empresa Projete Engenharia e Construções Ltda é a responsável pela restauração, sob o custo contratual de R$ 2,2 milhões.

Com espaço total de 3.400m², o imóvel passará por uma reforma completa, que vai contemplar, desde a instalação elétrica e hidráulica, até a revitalização das calçadas, além de contar com todas as adaptações para tornar o prédio totalmente acessível, incluindo um elevador novo. Seguindo o projeto de reforma, as características estruturais, como a fachada, serão mantidas, pois o prédio é tombado como patrimônio do município.

“O projeto de restauração foi criado há seis meses com o objetivo de obter economia e devolver este prédio restaurado para a memória do município, pois é um símbolo dos nossos prédios públicos”, conta o secretário Jean Rodrigues, da Secretaria da Saúde (SES). Oferecendo uma vista panorâmica da cidade, a torre será disponibilizada para a visitação, após o término das obras de revitalização.

Após a conclusão da reforma, a Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável (Sepud), que desde outubro está sediada na Sociedade Harmonia Lyra, na rua XV de Novembro, 485, Centro, deve voltar para o imóvel, que também passará a abrigar o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) e a Central de Abastecimento de Materiais (Came), unidades pertencentes à SES. Atualmente o Cerest funciona na rua Abdon Batista, 172, no Centro, e o Came na Central de Abastecimento Farmacêutico, na rua Monsenhor Gercino, 1055, no Itaum.

“Com o retorno da Sepud e o funcionamento do Cerest e do Came no prédio, a economia mensal com os alugueis que deixarão de ser pagos será de R$42mil, totalizando 504mil por ano, o que recuperaria o investimento em quatro anos”, destaca Rodrigues.

O projeto inicial é para que a Sepud retorne ao funcionamento no local, porém, há a possibilidade de outros serviços da SES serem transferidos para o imóvel, de acordo com um estudo dos custos mensais com locação que será realizado, possibilitando maior economia para o município.

 

 

 

Por: Secom

Mais notícias

Educa Mais Brasil

 

Compartilhe
Entidade:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *