Medalha Dona Francisca homenageia Ely Diniz

Medalha Dona Francisca homenageia Ely Diniz
Medalha Dona Francisca homenageia Ely Diniz

A Prefeitura de Joinville vai agraciar com a medalha Dona Francisca o empresário e presidente do Instituto Festival de Dança de Joinville, Ely Diniz da Silva Filho. A homenagem faz parte das comemorações dos 169 anos de Joinville. A cerimônia acontece no dia 5 de março (quinta-feira), às 19 horas, no Teatro Juarez Machado. O evento será aberto ao público e gratuito.

A honraria tem objetivo decelebrar personalidades que tenham contribuído de forma direta ou indireta para o desenvolvimento da cidade. Declarando-se honrado, Ely Diniz atribui a homenagem à representatividade e à importância do maior festival de dança do mundo, para a cidade de Joinville.

“Tenho plena consciência de que recebo a Medalha Dona Francisca em nome do Festival de Dança, em nome da instituição que leva o nome de Joinville para o Brasil e para o mundo. É uma honra muito grande e uma responsabilidade ainda maior”, afirmou. A Medalha Dona Francisca foi instituída em 1999 pelo prefeito Luiz Henrique da Silveira.

O homenageado

Natural de Valparaíso, no interior de São Paulo, Ely Diniz da Silva Filho mudou-se ainda jovem para a capital paulista, onde trabalhou no setor bancário. Mas foi na faculdade de Relações Públicas que encontrou a sua verdadeira vocação. Atuou como gerente de comunicação da extinta Rede Ferroviária Federal S.A., em São Paulo, e foi professor titular do curso de Relações Públicas da PUC de Campinas e do Instituto Metodista de Ensino Superior, de São Bernardo do Campo (SP).

A convite de um amigo, conheceu Joinville, encantando-se pela cidade e pelo promissor mercado da região. Aqui, criou a agência de comunicação Logos Conexão e Conteúdo, especializada no atendimento a corporações nacionais e multinacionais e, por conta disso, teve contato com o Festival de Dança de Joinville, fazendo a assessoria do evento até 2006.

Em 2007, foi convidado a assumir a liderança do Instituto Festival de Dança e, desde então, persegue a adaptação de gêneros e categorias que colocam o evento alinhado aos melhores do mundo na área, embora o da cidade seja o primeiro de nível amador a reunir sete gêneros, modelo que inspirou outros festivais e mostras pelo Estado e pelo Brasil. Atualmente, é conselheiro da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil e do Instituto Coree de Música.

Por: Secom

Mais notícias

Educa Mais Brasil

Compartilhe
Entidade:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *