Hospital São José de Joinville ganha consultório odontológico para pacientes da oncologia

A Secretaria da Saúde de Joinville montou um consultório odontológico para o atendimento dos pacientes que estão em tratamento oncológico do Hospital São José. O serviço de odontologia hospitalar, que iniciou no ano passado, passou a integrar as equipes multiprofissionais que atuam na assistência integral ao paciente com a doença.

 

Hospital São José de Joinville ganha consultório odontológico para pacientes da oncologia
Hospital São José de Joinville ganha consultório odontológico para pacientes da oncologia (Foto: Reprodução/Internet)

 

Com investimentos de R$ 28.000,00 em mobiliário e equipamentos, o consultório odontológico no hospital conta com dois profissionais (cirurgião dentista e auxiliar de saúde bucal), permitindo um atendimento de 30 horas semanais, de segunda a sexta-feira, das 7 às 13 horas. O consultório tem 15 metros quadrados e conta com dois aparelhos de laser de baixa potência para fotobiomodulação (laserterapia), cadeira e demais equipamentos odontológicos.

“Ampliamos o acesso à saúde bucal, oferecendo um tratamento especializado para os pacientes. No início, fazíamos o acolhimento, avaliação clínica, orientações, terapia com laser e encaminhávamos os pacientes para os CEOs (Centros de Especialidade Odontológica) ou para as UBSs de referência. Agora, com a contratação de uma auxiliar de saúde bucal, além da disponibilidade de instrumentais de ponta, podemos fazer grande parte dos tratamentos sem o paciente ter que se deslocar para outras unidades”, comemora o cirurgião dentista, Sérgio Fortuna.

Exame bucal, diagnóstico das lesões na cavidade oral, cirurgias odontológicas, como biópsia, exodontia e cirurgia gengival, restaurações de dentes fraturados ou cariados, prevenção e tratamento das doenças cárie e gengival e das necroses nos maxilares são oferecidos no novo consultório, além da fotobiomodulação (laserterapia) e da terapia fotodinâmica antimicrobiana (aPDT) com laser de baixa potência. São atendidos, principalmente, pacientes com câncer nas regiões da cabeça e do pescoço, hematológicos ou quando o tratamento de outros tumores malignos traz alguma consequência para a cavidade oral.

Segundo Fortuna, a inclusão da odontologia é fundamental para a prevenção e tratamento dos efeitos adversos do tratamento oncológico na cavidade bucal e também no preparo prévio da boca e dos dentes para receber o tratamento oncológico, seja ele cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico.

“O objetivo é melhorar a qualidade de vida desse paciente, diminuindo o sofrimento, acolhendo e adequando a boca para uma condição mais saudável. Com o tratamento odontológico integrado, em alguns casos, conseguimos diminuir o uso de medicamentos e o tempo de internação. A boca pode ser a porta de entrada de muitas infecções e piorar a gravidade da doença. Uma assistência odontológica especializada, resolutiva e humanizada contribui para a cura e a qualidade de vida e melhora a autoestima das pessoas”, explica Fortuna.

 

 

Laserterapia (terapia fotodinâmica)

Umas das técnicas utilizadas no tratamento odontológico dos pacientes da área oncológica é a laserterapia (biofotomodulação e terapia fotodinâmica antimicrobiana). No tratamento contra o câncer, alguns tipos de medicamento (tratamento quimioterápico) e a radioterapia, podem provocar efeitos colaterais na boca.

As glândulas salivares podem ser afetadas durante o tratamento de câncer nas regiões da cabeça e pescoço, diminuindo a produção de saliva (sensação de boca seca), associada à redução da imunidade dos pacientes, aumenta o risco de infecções por bactérias, vírus ou fungos.

Com esta condição, podem aparecer lesões inflamatórias (aftas). O quadro é chamado de mucosite oral, que, dependendo do grau, dificulta muito a ingestão de alimentos e, em alguns casos, pode obrigar o uso de sondas ou a paralisação do tratamento, por causa da dor. Com a fotobiomodulação, as feridas cicatrizam mais rápido, diminui a quantidade das lesões e as dores são minimizadas.

“Está comprovado cientificamente que o uso preventivo e terapêutico do laser de baixa potência nestes pacientes reduz este quadro de dor, modula a inflamação e acelera o processo de cicatrização, diminuindo muito a severidade desta lesão”, conclui Fortuna.

 

 

Por: Secom

Mais notícias

Educa Mais Brasil

Compartilhe
Entidade:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *